Posts Tagged ‘london callings’

h1

HMS Origami

novembro 8, 2010

Frank Bolter é o artista que fez uma das coisa mais lindas que já vi: o barco origami. Bill Mouland, na foto, foi o capitão do navio de papel que navegou no Tâmisa, na semana passada. Bolter disse que o conceito do barco é tornar o sonho da infância em realidade: “focused on the childhood dream of taking the simplest of means – a sheet of paper and a little imagination  – to create a vehicle with which to travel into unlimited realms of fantasy”. A matéria toda está no Daily Mail de hoje.

h1

partidas

agosto 19, 2010

e aí você descobre que começou a se despedir quando senta em um banco, em southbank, e acha graça nos artistas de rua, pela primeira vez. fotografa casais apaixonados e crianças correndo sob a luz de um quase outono. e não reclama da chuva constante e do frio disfarçado. você descobre que começa a se despedir quando acha puffy pastry uma delícia e, apesar de ter comido raras vezes, diz que vai sentir muita falta. e vai sentir muita falta da cidra e do pint disponíveis em qualquer esquina, ao lado da biblioteca, ao lado de casa. e quer comer o último yorkshire pudding com o gravy sem gosto mais gostoso feito da ale mais saborosa. e quer comprar livros de culinária de délia, a ofélia da bbc, pra mostrar pros amigos do lado de lá o que eles perderam de ter comido no mcdonald’s e ao invés de terem experimentado uma traditional pub food. e você se pega querendo levar oxo cubs, quando passou sua temporada inteira em londres sonhando em ter caldo maggi. e você se pega se lamentando de ter morado a quatro quadras do british museum e não ter conhecido ele todo. e começa a comprar as coisas que odeia ver os turistas comprando. e começa a odiar os turistas que não estavam aqui no inverno, mas lotaram a cidade no verão só pra não deixar a gente se despedir direito e ter que pegar fila, pela primeira vez, para entrar no museu de história natural. dói ir embora de casa. dói partir…

h1

find the venue you never knew existed

agosto 6, 2010

sou fã de britpop, mas quando vi The Joy Formidable pela primeira vez, não gostei lá muito (ok, era show do paul mccartney e eu queria mesmo era ver ele cantando umas 5 horas). é legal conhecer uma banda nova do país de gales. ainda mais com menina cantando, cheia de atitude. mas a verdade é que achei o som monótono. mas vá lá. é a banda do momento e eu tinha que contar pra vocês. além do que, eles fazem propaganda do meu novo vício: Kopparberg Cider.

pois é. nada de cerveja no verão. a moda é beber muita cidra, de todos os sabores e com muito gelo. e, ah, como vou sentir falta da minha cidrinha on the rocks em terras tupiniquins. como vou…

h1

verão, ping pong e bicicletas

agosto 5, 2010

E quando você pensa que o verão não pode melhorar, aparecem duas novidades na cidade: mesas de ping-pong all around e é inaugurado o sistema de bicicletas à barcelonesa. Tudo justificado pelas Olimpíadas de 2012.

british-museum

Querem mais gente jogando ping pong (ou se interessando por) e aliviam o sistema de transporte público para os jogos (já que aqui, ao contrário de barcelona, os não-moradores também poderão usar a bike – poderão por que ainda não podem).

Pra encontrar sua mesa de ping-pong, clique aqui e insira seu postal code.

cycle

Pra pedalar, tem que pedir uma chave (3 libras cada uma) e escolher o sistema (24h, uma semana, um ano). É só entrar no site, se inscrever, pagar a conta e eles te mandam a chave pelo correio. Quando as nossas chegarem, conto sobre a aventura de pedalar nas ruas londrinas.

h1

bééééééé

julho 27, 2010

olha, depois dessa tem quem vá achar que moramos na roça e não no centro de londres.

mas essas são nossas vizinhas de porta.

nossas amáveis vizinhas de porta.
=)

DSC08116DSC08177DSC08175

h1

cute devendra

julho 26, 2010

devendra-banhart

devendra banhart é toda uma performance ney matogrosso, meu muso. ao vivo, dá pra viver essa intensidade com tanta força que é impossível não se apaixonar. além dos pés descalços e de tocar sentado no chão do palco, ele passou o show inteiro que fez aqui na KOKO cantarolando “I wanna dance with somebody”, da withney houston. e, bom, teve um momento que ele se jogou na balada e fez um cover de uma música bate-cabelo que, olha, não consigo me lembrar qual era (pois é, pessoa demora quase um mês pra escrever sobre o show e não anota nada no caderninho).

enfim, só passei aqui pra compartilhar uma das outras fofo features desse rapaz.

no meio do show, em um daqueles momentos em que a banda vai tomar uma “água” ali atrás, ele convidou alguém do público para se apresentar no palco. “alguém aí tem uma música inédita, que nunca teve coragem de mostrar pra ninguém?”. “gente, tem que ser de verdade”. como um rapaz insistia – pasmem, era o único – ele acreditou na profissão de boa fé e o convidou pra subir. emprestou sua guitarra, o apresentou ao público e voltou uns minutos depois, mais fofo do que nunca. taí o videozinho horroroso que fiz (das limitações materiais da vida, né, seus ricos!).

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=13575478&server=vimeo.com&show_title=1&show_byline=1&show_portrait=0&color=&fullscreen=1

open stage: a gift from devendra from Pés de Amora on Vimeo.

h1

a groupie que realizou meu sonho

julho 19, 2010

Em 1965 Sue Baker tinha 15 anos.

Como toda garota inglesa de sua época, ela era uma Beatlemaniac e sonhava conhecer John, Paul, George e Ringo (our beloved Ringo). Um belo dia, ela fez a Mafalda e teve uma iluminação. Depois de ler uma matéria em uma revista dos Beatles, que descrevia a casa de Paul, começou um jogo de caça ao tesouro incansável. E, como toda heroína de romance, ela foi recompensada pelo deus das groupies: encontrou o doce lar de Paul perdido em meio a uma porção de casas que são, aos meus olhos nada ingleses, absolutamente iguais.

Boa moça que era, sempre levava o irmão mais novo a tiracolo – taí Luciana Gimanez de testemunha do que pode acontecer com uma moça solteira quando fica amiga de um rock star.

Bom, só sei que ela passou a ir na casa do Paul todo final de semana, até que um dia ele perguntou se ela visitava os outros bítus. NÃO?! Olha, não sei se Paul tem um bom coração ou se queria se livrar da louca (fico com a segunda opção), só sei que ele pegou o primeiro pedaço de papel que viu na mão e anotou o endereço de TODOS os outros culégas (isso é que é amigo, né, não?).

Ai, Sue, tão sortuda! Os meninos abriram as portas das casas deles pra ela, serviram chá e bateram papo. E, quando eles não estavam em casa, quem a recebia eram as esposas.

Ela deu esse rolê todo final de semana durante dois anos, gastando toda moedinha que ela guardava no cofrinho. O registro dessas visitas está sendo leiloado agora por uma Sue já avó. Entre as recordações, está o envelope onde Paul, o travesso, anotou os endereços dos culégas. Confiram:

article-1294323-0A6C3AE9000005DC-235_634x312
hohoho

article-1294323-0A6C3AC5000005DC-512_306x378
o hermanito

article-1294323-0A6C37B1000005DC-728_634x561
John

article-1294323-0A6C35F9000005DC-103_634x651
RINGO!

article-1294323-0A6C3486000005DC-422_634x668
george =)

A história inteira está no Daily Mail.

E, bem, como podem reparar, Paul já estava morto.

Por que, né? Cadê a foto dele com ela, minha gente?