Posts Tagged ‘associação livre’

h1

outubro 1, 2010

tá bom. chega de reclamar. chega de nostalgia londrina. agora é encarar a vida daqui pra frente, porque senão a gente enlouquece. é tempo de fazer a máscara de veneza combinar com o tapete do marrocos e de usar os pregos já existentes na parede da melhor maneira possível. no banheiro tem vários. e isso só me faz pensar em quantas pessoas já passaram por aqui antes de nós e que esse apartamento deve rir de toda nova angústia que aqui se instala e que ele vê se dissipar num toque de mágica. nossa sorte é que a última energia era boa. era de liza e marcel. era de um casal feliz. e como eles foram muito, mas muito felizes nesse mesmo espaço, dá pra dispensar as intervenções odoríficas que pensei em comprar na loja de umbanda que tem logo ali embaixo, do lado da igreja católica. também dá pra dispensar a carranca e concentrar no pé de pimenta. este sim, útil. e promissor, porque apesar de não ter visto a cara do sol nesta casa há duas semanas, sei que quando ele vier ele vai encher a área de plantas de luz. e enquanto ele não vier, a gente finge que é tudo uma limpeza planejada por Iemanjá e Santa Clara, mesmo que no último Reveillon eu tenha me vestido de cinza. então pronto. quando pararem de limpar – a sujeira é muita, como vimos no post anterior – talvez a gente consiga participar da coleta seletiva da cidade. é só de sábado e é só às 9h. mas o caminhão pode passar 2h antes ou 2h depois. e aí, cuidado. se você colocar fora do horário, o prédio leva multa. então coloque às 9h para ter direito a recorrer, porque sábado passado ele passou e levou um saco só, dos dois que deixamos. o outro foi parar na esquina, por arte do zelador que tentava evitar a multa. multa por reciclar. multa por tentar reciclar. e aí já fico toda ranzinza de novo. toda saudosa. mas o bom é pensar que a coisa é simples. e de coisa simples em coisa simples, a gente consegue melhorar. e aí dá um orgulho besta de estar aqui de novo e de fazer parte dessa história. ô se dá!

h1

Era uma vez em Bloomsbury*

janeiro 19, 2010

“In or about December, 1910, human character changed”, escreveu Virginia Wolf.

Dois anos depois de o caráter humano ter sido modificado, nasceu Christopher Hill. E em tempo pós-impressionista. 1640, no entanto, ainda era uma história povoada de invisíveis.

Ai, o mundo de pernas para o ar!

Viver é um desafio à gravidade.

(*1 novembro de 2007, no meu antigo blog: Um conto em cada canto)

h1

no fundo de cada coisa, há toda coisa real ou possível

agosto 25, 2009

“O organismo define-se pela sua capacidade de dobrar suas próprias partes ao infinito e de desdobrá-las não ao infinito, mas até o grau de desenvolvimento consignado à espécie” (Deleuze, em “A Dobra”).

As dobras de Leibniz são os mil platôs de Deleuze e Guatarri – e as mônadas de Tarde: o mundo todo está dentro daquilo que é mais simples e o que se vê é sempre apenas uma parte. A revelação depende da perspectiva, da parte que é iluminada. Assim como os detalhes de uma obra barroca.

Os vídeos são um registro da revista italiana Domus. Em um artigo sobre a web 3.0, ela criou esse design em que um texto se desdobra em vários outros – e uma imagem, em várias outras. As outras imagens e os outros textos sempre estiveram ali. Sempre estiveram contidos no papel.

Por isso é que Gabriel Tarde diz que “no fundo de cada coisa, há toda coisa real ou possível”.

h1

vem sol, me alumia!

julho 7, 2009

301302303A Mafalda toda está no Clube da Mafalda.

h1

old fashion

maio 11, 2009

nome

Baby Name Wizard: pra saber a incidência do seu nome na linha do tempo. Quando meus pais escolheram o meu, ele já tava pra lá de Marrakesh!

Mais, na Wired.

h1

cinema existencialista

março 6, 2009

– Alô, queria falar com um médico, por favor.

– Pois não.

– Eu não tenho umbigo!

– …

– Eu perdi o meu umbigo!

– ?!

– Estou realmente preocupado, porque o umbigo indica que a gente nasceu. E, se eu não tenho umbigo, eu não nasci! E, se eu não nasci, eu não estou vivo! Eu não existo!!!

(silêncio)

– Será que eu sou Deus?

(diálogo do filme “Número 9”. obrigada, roliúdi! haha)

h1

seu madruga é ídolo!

março 4, 2009

seu madruga segurou o rojão na última grande crise e manda o seu recado do Cingapura mexicano