Archive for abril \28\UTC 2011

h1

gisele, anorexia e classe A na grife da classe C

abril 28, 2011

Fila no provador. “Posso experimentar aqui mesmo?”, pergunta a moça com a bolsa channel para a vendedora. “Pode, claro! fique à vontade”.

O “aqui mesmo” era a ante-sala das cabines individuais da C&A do Iguatemi. Como ali a loja é granfina, há um espelho que mal caberia na maior parede da minha sala, colado em frente a um divã de veludo rosa-choque. Ideal para experimentar roupa no melhor estilo José Paulino. Não demorou dois segundos para eu ver a moça da bolsa channel e a colega de bolsa victor hugo semi-nuas experimentando as roupas da coleção Gisele Bündchen.

“Tem 36 dessa saia?”. “[vendedora] Não, moça. Toda numeração 36 e 38 acabaram…”. “Nada? Não sobrou nada?! E aquela que a moça [eu] tá segurando?”. “É 40”, respondo, meio sem graça, com minha bolsa e casacos C&A, minha saia Renner coleção 2001, minha blusinha “La Ballerina” 98 (só pra campineiros), minha meia-calça e lenço Primark e minha ankle boot que peguei nas doações das meninas que se mudavam do International Hall, minha moradia estudantil em Londres. “Nossa, que sorte a sua, hein?”.

Pela primeira vez, fui elogiada por usar 40 e não 38, 36. A anorexia, desconfio, caminha a passos largos com a alta roda. A vantagem dessa informação privilegiada, obtida por esta que vos escreve em plena participação observante, é saber que se você, que é normal como eu, quiser comprar peças dessas coleções fast-fashion que acabam em duas horas, o Iguatemi é a melhor pedida.

h1

da tela em branco

abril 19, 2011

ando vazia de palavras porque elas se acabaram todas em outro papel. não formaram nenhum desenho bonito, como espero que sempre façam, mas estão lá, dizendo as coisas sérias que precisam ser ditas. também me acabou a sede de ler outras coisas. das que a gente sente quando lê. que é porque meus olhos estão cansados e a cabeça cansou de acompanhar sentidos: só pensa em lógica. por isso, o tempo em branco, em repetido. é puro cansaço de viver de ideias. já que passa…

h1

Semana do Desarmamento Infantil

abril 11, 2011

Na véspera da tragédia do Rio, a @anarina me convidou a participar de uma blogagem coletiva promovida pelo Instituto Sou da Paz. O objetivo era divulgar a semana do desarmamento infantil, promovida de hoje a sexta-feira. Eu, que votei SIM no plebiscito de 2005 e nunca me conformei com a vitória do NÃO, adorei a ideia. Ainda mais porque se tratava de incentivar o desarmamento infantil.

Não vou falar sobre o que aconteceu na semana passada. Este blog não escreve achismo sobre assunto sério nem especula a dor alheia. No @pesdeamora, passei o dia 7 de abril lamentando a cobertura lamentável (com o perdão da redundância) do extermínio. E reafirmando que o que devemos discutir, para além das conversas de elevador, é o mal que o acesso legal às armas pode causar a uma sociedade. E isso tem tudo a ver com a campanha do sou da paz.

Sou feministinha e sempre, sempre, detestei essa divisão sexual dos brinquedos que os pais e mães promovem. Torço o nariz e bato o pé quando vejo uma criança, nascida mulher, ser presenteada com uma cozinha ou tábua de passar roupa de brinquedo. OI?! Pai, mãe, tio, tia, primo, prima, vô, vó, amigues: vocês realmente acham legal ensinar a uma criança que lavar, passar e cozinhar é coisa de mulher? Eu não acho. E não acho porque tenho certeza que brinquedos não são objetos inofensivos.

É por isso que, da mesma maneira que repudio que meninas brinquem de donas-de-casa, acho intolerável presentear crianças com brinquedos de guerra. Não. Não é bonito ver seu filho(a) brincando de Capitão Nascimento, munido(a) de submetralhadoras de plástico. Não. Não é natural que ele(a)s queiram ganhar o Caveirão do Bope no dia das crianças. Cabe a vocês, pais e mães, ensinar aos seus filhos e filhas que os problemas do mundo não se resolvem com uma bala na cabeça do bandido. Cabe a vocês quebrar essa corrente de reprodução da violência. Banir os objetos que a naturalizam e banalizam é só um passo dessa caminhada. Mas é um passo importante. Então espalhe essa ideia e participe da campanha.

Semana do Desarmamento Infantil – 11 a 15 de abril –  no M’Boi Mirim (mas você também pode participar: descarte as armas de brinquedo de seus filho(a)s).

Mais infos no Blog Desarma SP

h1

ela

abril 3, 2011

Sonhei com você. Você veio me dizer que estava tudo bem. E sorria. Eu fiquei feliz. Perguntei se queria dar algum recado. Você riu.  E riu porque, imediatamente, pedi pra acordar e pedi pra você ir embora. Porque, na minha cabeça, eu sempre tive medo desses sonhos – por não saber se era só um sonho. Tive medo. Me forcei a acordar, mas olha, você não me assustou. Me assustaria com suas lágrimas. Acordei e pensei na besteira que fiz. Porque quero voltar a te ver sempre. Especialmente feliz. Assim a saudade amaina.